Menu / Busca

Meu gato sumiu, e agora?

Você sabia que um gato que frequenta a rua pode percorrer até 830m por dia? Que ele pode considerar seu território um raio de até 8 km2? Tudo isso significa que os felinos que passeiam pelas ruas não consideram seu lar apenas o local que comem e dormem. Podem, portanto, passear pelos bairros como se estivessem dentro de sua casa. Por isso, se seu amigo de quatro patas desapareceu, entenda os motivos que podem ter ocasionado o sumiço e, claro, como encontrá-lo.

SITUAÇÕES COMUNS QUE CAUSAM PERDA

Além de situações em que o gato frequenta as ruas diariamente, existem outras que podem gerar o desaparecimento, como a mudança de residência. Essa situação é relativamente comum nas perdas. Isso porque, muitas vezes, o tutor não se preocupa em fazer uma adequada adaptação do gato na nova moradia, que tende a fugir e voltar para a antiga.

Mesmo quando toda a família se muda para uma nova casa é importante que o felino não tenha nenhum acesso à rua, do contrário ele fugirá. Eles têm esse hábito, pois são muito territorialistas e não se sentem seguros em ambientes estranhos. Quando a nova moradia é próxima da antiga, vale a pena procurar nos arredores da antiga casa, pois ele pode estar nessa região.

É importante que os tutores saibam que essas fugas após mudança de residência não costumam ter sucesso, especialmente se o endereço novo é muito distante do antigo. Mais especialmente ainda se o gato não tinha o hábito de andar pelas ruas. Nesses casos é comum que eles se percam no meio do caminho.

Falando em mudança, a maioria dos gateiros sabe que eles são extremamente sensíveis, por isso tudo que possa causar estresse neles deve ser feito de maneira gradual. Principalmente se a mudança estiver relacionada diretamente com o pet, como a chegada de um novo gato na família. Essa nova situação é uma das grandes causas de “fugas”. Colocada entre aspas, a palavra fuga deve ser usada com cautela. Isso porque é comum os gatos saírem de casa para morar em outro local após mudanças bruscas no lar. Vale salientar que, muitas vezes, essa saída voluntária não ocorre imediatamente após a chegada do novo bichano. Mesmo não havendo brigas entre eles, seu amigo felino mais velho pode sim ficar extremamente estressado com a presença do novo morador e resolver sair de casa.

PROCURANDO O GATO

Se de fato houve uma grande mudança dentro da sua casa procure-o pela vizinhança e não se acanhe de bater de porta em porta perguntando por ele. Isso pode ajudar muito. É preciso lembrar que nem sempre os gatos mudam de endereço para um vizinho devido à mudança dentro de casa. Às vezes, eles começam a frequentar uma casa próxima que tenha outros felino e, consequentemente, tenha mais comida, água e conforto disponível. Por causa disso, sempre ressalta-se a importância de perguntar aos vizinhos se seu amigo encontra-se por lá. Além disso, eles podem gostar de viver em colônias, ou seja, em locais de alta densidade populacional. Tente investigar qual casa próxima a sua possui bastante gato. Geralmente é nesse local que eles buscam abrigo.

Se mesmo perguntando na vizinhança você não obteve sucesso, é fundamental fazer um anúncio sobre a perda do seu bichano. Para isso você deve ter uma foto dele.

Escolha uma imagem nítida e que mostre o corpo todo, principalmente se ele tiver alguma marquinha especial. Descreva as características dele como sexo, idade e algum traço especial (se houver). Acrescente informações de contato com letras grandes, como seu nome, telefone e email. Escrever o nome do animal é opcional, pois, quando não conhecem a pessoa, eles raramente atendem o chamado pelo nome.

Após feito o anúncio, você pode divulgá-lo de maneira impressa e online. Como a grande maioria das pessoas atualmente utiliza redes sociais, essa é uma boa forma de procura-lo. Poste seu anúncio na internet, tanto em suas redes sociais, quanto nos sites de animais “achados e perdidos”. Existem diversos sites desse tipo disponíveis. Não esqueça-se de fazer uma busca nesses sites para ver se encontra a foto dele divulgada na sessão “achados”. Pode ser que você dê sorte, e alguém que o encontrou coloque uma imagem dele.

Anúncios impressos espalhados pelo bairro ajudam bastante. Você pode pedir aos principais estabelecimentos para colar seu anúncio na parede, como padarias, mercados e, principalmente, petshops e clínicas veterinárias. Também pode colar nos postes da cidade.

DICAS EXTRAS

Pare e escute – Se seu amigo felino estiver machucado, preso ou com fome,  provavelmente miará. Não importa se está em grupo ou sozinho durante a busca: pare por alguns minutos, respire tranquilamente, concentra-se e ouça atentamente se há algum miado.

Equipamentos para busca: Mesmo que esteja realizando as buscas durante dia, leve uma lanterna. Gatos podem esconder-se em cantos escuros, por isso o equipamento será útil, além de iluminar alguma área, reflete os olhos do felino.

Atenção aos locais altos: Árvores, sacadas, enfim, procure em todos os lugares, treine sua visão para, também, atentar-se aos lugares altos. Observe telhados, muitos possuem alguma abertura onde podem se esconder.

Locais perigosos para ele: Procure em áreas que podem ser perigosas para o gato, onde há a possibilidade dele ficar preso, como canteiros de obras, terrenos baldios com entulho. Vizinhos também podem ter trancado o pet na garagem sem perceber. Há a possibilidade deles esconderem-se dentro de veículos, principalmente em dias frios.

Peça ajuda às crianças: Distribua e cole folhetos próximo de escolas e parquinhos, na altura dos olhos das crianças. Os pequenos são extremamente observadores e podem ajudar muito.

PREVENINDO FUGAS

A primeira tentativa, que nem sempre funciona para todos, é a coleira com identificação. Infelizmente nem todos os gatos aceitam o uso de coleiras, mas se o seu gato permite, então não hesite em colocar uma com plaquinha de identificação.

Não permita que seu gato tenha acesso à rua e para isso coloque telas nas janelas e portões, e grades nos muros. Leve seu amigo ao veterinário para ser castrado. A cirurgia abaixa os níveis hormonais e, assim, o animal sente menos necessidade de ir atrás de companheiros e brigas.

Faça mudanças gradativas na vida do bichano. Se for adotar um novo animal, apresente-o lentamente para o antigo morador e, se for mudar de endereço, certifique-se de que a nova casa tenha proteção anti-fuga. Colocar feromônio sintético na casa nova 30 minutos antes da chegada do gato pode prevenir fugas.

Atenção: não permita que seu gato tenha acesso à rua  

Um dos riscos de permitir que um gato tenha acesso à rua são os acidentes, como atropelamento, envenenamento, brigas com outros gatos e ataques por cães. Por isso, os gatos que podem dar seus passeios e, de repente, desaparecem, podem sim estar mortos. Isso é muito triste, mas deve ser levado em consideração e o tutor tem que estar preparado para esse momento. Se isso acontecer, infelizmente, será difícil descobrir, mas nunca se deve perder a esperança em encontrar seu amigo felino.

Leia aqui porque você deve manter seu gato dentro de casa!

Dra. Laila Massad Ribas

Você também pode ler essa matéria em versão impressa na revista Pulo do Gato, edição 93 – Setembro de 2015

Laila Massad Ribas

Laila Massad Ribas

Possui formação acadêmica em veterinária, especialização em medicina felina e mestrado e doutorado pela USP.