Menu / Busca

Hemoplasmose (Micoplasmose)

Também conhecida por micoplasmose, anemia infecciosa felina e, antigamente por haemobartonelose esta doença é causada por bactérias que parasitam a superfície das hemácias (glóbulos vermelhos) dos gatos e são chamadas de hemoplasmas.

Conhecidamente existem quatro tipos de hemoplasmas causadores da hemoplasmose:

  • Micoplasma haemofelis (mais grave)
  • Candidatus micoplasma haemominutum (mais comum e menos grave, poucas chances de causar anemia)
  • Candidatus micoplasma turisenses (pode causar anemia quando associado a outras doenças)
  • Candidatus micoplasma haematoparvum (desconhecida a gravidade da infecção)

ANEMIA

O hemoplasma é causador de anemia nos gatos, pois ele parasita a superfície das hemácias e isso pode desencadear a destruição das células (hemólise) ou o que chamamos de anemia hemolítica autoimune. Este tipo de anemia ocorre porque o organismo do gato não reconhece aquela hemácia parasitada e a destrói. Quando esta destruição ocorre em massa o gato pode ter anemia. O baço é responsável pela remoção do parasita na hemácia, mas isso pode fragiliza-la e seu tempo de vida ser reduzido.

TRANSMISSÃO

Ainda não se sabe com certeza como o hemoplasma é transmitido. Antigamente acreditava-se que era através da pulga e do carrapato, mas estudos ainda não conseguiram comprovar esta teoria.

Mordeduras podem ser uma fonte de contaminação, uma vez que gatos que ingeriram sangue com hemoplasma experimentalmente se tornaram contaminados.

Gatos de ambos os sexos podem se contaminar, mas provavelmente machos podem ser mais acometidos pelo estilo de vida (brigas com outros machos na rua por causa de fêmeas no cio).

Fêmeas podem transmitir aos filhotes o parasita, embora não se saiba exatamente como e, transfusões de sangue são comprovadamente uma fonte de transmissão.

SINTOMAS

Quando o gato desenvolve anemia pode apresentar fraqueza, cansaço, perda de peso e palidez de mucosas.

O tipo de hemoplasma presente vai direcionar o curso da doença e, felizmente, o tipo mais comum (Candidatus micoplasma haemominutum) raramente causa algum problema ao gato, a não ser que haja infecção concomitante por retrovírus ou associação entre dois tipos de hemoplasma.

Quando infectado pelo Micoplasma haemofelis a anemia geralmente é grave.

DIAGNÓSTICO

O hemograma, que é a contagem de células no sangue é um exame muito comum, pois auxilia no diagnóstico de diversas doenças. É relativamente frequente encontrar o parasita (muitas vezes descrito como micoplasma) nos laudos de hemograma, mas isso não é motivo para pânico.

A presença do parasita no hemograma sem qualquer outro sintoma ou anemia associados não indica doença ativa e não deve ser interpretado de maneira negativa. Por outro lado, a ausência do parasita no exame de sangue, mas com presença de sintomas clínicos e anemia pode ocorrer mesmo o gato sendo infectado, ou seja, um exame negativo não exclui a doença.

Número de plaquetas reduzido (trombocitopenia) associado à presença do parasita no hemograma muitas vezes é erroneamente interpretado por duas razões. Primeiro porque isso não está comprovadamente associado à doença (como ocorre em cães, por exemplo) e porque dependendo da maneira como ocorre a coleta as plaquetas dos gatos podem agregar (grudar umas nas outras) o que reduz falsamente sua contagem.

Outros testes podem ser solicitados pelo veterinário para fechar o diagnóstico como pesquisa direta do hemoparasita, contagem de reticulócitos (para determinar se a anemia é crônica ou não), teste de Coombs para confirmação da anemia autoimune e PCR (reação em cadeia da polimerase) que detecta o DNA do parasita no sangue do gato.

Um teste para detecção de retrovírus, como FIV e FeLV são recomendados, uma vez que a presença destes pode piorar o quadro de anemia.

TRATAMENTO

Antibióticos orais ou injetáveis são prescritos nos gatos com hemoplasmose e algumas vezes pode ser necessária a introdução de corticoides para auxiliar no tratamento da anemia autoimune.

É importante salientar que o tratamento é feito para curar os sintomas e a anemia, mas pode não eliminar o parasita por completo, por isso hemograma de gatos tratados podem continuar apresentando o hemoplasma sem que isso seja um problema para o animal.

Transfusões de sangue são raramente necessárias.

PREVENÇÃO

Apesar de não ter sido comprovado é sempre bom evitar infestações por pulgas e carrapatos e deve-se manter o gato dentro de casa para evitar brigas.

Gatos positivos para hemoplasmose não podem doar sangue.

PROGNÓSTICO

Na grande maioria das vezes o prognóstico é bom, sendo reservado nos animais positivos para retroviroses.

Estas informações não devem ser interpretadas como métodos de diagnóstico. Nunca medique seu gato sem orientação veterinária.

Dra. Laila Massad Ribas

Laila Massad Ribas

Laila Massad Ribas

Possui formação acadêmica em veterinária, especialização em medicina felina e mestrado e doutorado pela USP.