Menu / Busca

FeLV – entrevista

Em entrevista com o Thiago respondi algumas perguntas sobre a Leucemia viral felina, uma enfermidade comum e que ainda gera muitas dúvidas.

O que é a FELV?

A sigla já indica qual é a doença: feline leukemia virus ou vírus da leucemia felina.

Como ela é transmitida?

Esse vírus pode ser transmitido através do contato diretoou indireto com as secreções dos gatos, especialmente a saliva. Por isso gatos que compartilham vasilhas ou que se lambem acabam sendo contaminados. A mãe também pode transmitir o vírus para os filhotes através da placenta e do leite.

Como prevenir?

Existe vacina contra o FELV aqui no Brasil, mas antes de aplicar o medicamento o gato deve fazer um teste sorológico para confirmar a inexistência do vírus.

Outra forma de prevenção é separar os gatos contaminados dos demais, além de manter o seu gato sempre dentro de casa.

Há tratamento?

Sim, mas não há cura. Em alguns casos o gato consegue eliminar o vírus logo no começo do contato,  por isso o teste pode ser positivo num primeiro momento e negativo futuramente.

Após certo tempo o vírus não é mais destruído pelo corpo do gato. Assim, somente o tratamento paliativo pode manter a qualidade de vida do animal.

Como é possível conseguir um diagnóstico?

Podem ser feitos testes sorológicos ou de DNA, o chamado PCR, mas neste caso a sorologia é bem confiável. O ideal é que o gato tenha mais de 4 meses para fazer o teste e obter uma resposta confiável. Lembro que todo gato adotado deveria fazer o teste antes de ser levado a uma casa que já tenha outro gato.

Por que é importante obter um diagnóstico?

Porque a leucemia viral é uma doença contagiosa e sem cura. E o tratamento paliativo é a única opção para se preservar a qualidade de vida do gato perante a FELV.

Saiba mais sobre a FELV.

Blog do Thiago: http://gateiro.com.br

Laila Massad Ribas

Laila Massad Ribas

Possui formação acadêmica em veterinária, especialização em medicina felina e mestrado e doutorado pela USP.